quinta-feira, 9 de novembro de 2017

SAROBÁ BOCA QUENTE




SAROBÁ É BOCA QUENTE já dizia o poeta Lobivar Matos (1917-1945) ao retratar o Sarobá bairro de negros em Corumbá. Aquela realidade não mudou muito, vivemos em tempos de exceção, censura e repressão, mas a Arte fala mais alto assim como o poeta. E com nossas bocas bem abertas e quentes, cantamos, denunciamos, gozamos e lutamos incessantemente.

Dessa vez vai ser na Antiga Rodoviária, retrato do abandono e da ausência do Estado, porem, lugar também habitado por moradores da cidade, gente. Acreditamos que o direito a cidade é viável e estamos aí para isso mesmo, transformar, somar, construir derrubando paredes e muros erguendo outro mundo possível.
Nessa empreitada contamos com a participação dos Artes educadores do MS, do Brasil e do mundo que estarão em Campo Grande para a XXVII CONFAEB, V Congresso Internacional de Arte educadores, II Seminário Estadual de Cultura e Educação de Mato Grosso do Sul.
A programação do Sarobá Boca Quente conta com: Elinho do Bandoneon, CanaRoots, Falange da Rina, ArduaRA, Forro PVC, Coletivo Clandestino de Teatro (Dourados/MS) e muito mais... Acompanhe, divulgue, compartilhe... nossa divulgação maior é boca a boca > Boca Quente.

EVOÈ!


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

AREÔTORARE na RUA

Teatro Imaginário Maracangalha
apresenta:
AREÔTORARE
Espetáculo de rua em Cortejo Cenopoético

Terça-feira - 07/11 às 21:00 Feira do São Chico

Sábado - 11/11 às 20:00 feira da Vila Jacy

CORTEJO CENOPOÉTICO

AREÔTORARE


O espetáculo ceno-poético de rua revisita as obras "Areôtorare" (1935) e "Sarobá" (1936) do escritor modernista Lobivar Matos, nascido em Corumbá (MS), aborda as relações humanas e sociais do seu tempo. Desta forma, questões como desigualdade, preconceito e desenvolvimento econômico são desveladas sob a ótica dos trabalhadores, índios e negros que até hoje "refletem os anseios, as revoltas, as durezas amargas da época e do meio em que vivem" (MATOS, L.).



Ficha técnica
Direção e dramaturgia: Fernando Cruz
Texto: Poemas das obras "Areôtorare e Sarobá" de Lobivar Matos
Encenação: Fernando Cruz e o grupo
Elenco: Fran Corona, Fernando Cruz, Ariela Barreto, Moreno Mourão, Paulo Augusto, Pepa Quadrini e Renderson Valentim
Pesquisa: Salim Haqsan, Fernando Cruz e Rogéria Castro Costa
Preparação e Direção musical: Jonas Feliz
Preparação Vocal: Maria Cláudia
Adereços: Patrícia Rodrigues e Lício Castro
Figurino: o grupo | Costuraria: Maria Viveiros
Assessoria de Imprensa: Brasa Comunicação
Produção: Ana Capilé

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

AREÔTORARE na FliSesc Corumbá

CORTEJO CEMOPOÉTICO
AREÔTORARE

O espetáculo ceno-poético de rua revisita as obras "Areôtorare" (1935) e "Sarobá" (1936) do escritor modernista Lobivar Matos, nascido em Corumbá (MS), aborda as relações humanas e sociais do seu tempo. Desta forma, questões como desigualdade, preconceito e desenvolvimento econômico são desveladas sob a ótica dos trabalhadores, índios e negros que até hoje "refletem os anseios, as revoltas, as durezas amargas da época e do meio em que vivem" (MATOS, L.).

Ficha técnica
Direção e dramaturgia: Fernando Cruz  
Texto: Poemas das obras "Areôtorare e Sarobá" de Lobivar Matos  
Encenação: Fernando Cruz e o grupo  
Elenco: Fran Corona, Fernando Cruz, Ariela Barreto, Moreno Mourão, Paulo Augusto, Pepa Quadrini e Renderson Valentim  
Pesquisa: Salim Haqsan, Fernando Cruz e Rogéria Castro Costa  
Preparação e Direção musical: Jonas Feliz 
Preparação Vocal: Maria Cláudia  
Adereços: Patrícia Rodrigues e Lício Castro  
Figurino: o grupo | Costuraria: Maria Viveiros  
Assessoria de Imprensa: Brasa Comunicação  
Produção: Ana Capilé


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

SEGREDOS DO CASCUDO


O Teatro Imaginário Maracangalha orgulhosamente apresenta: Segredos do Cascudo

O grupo dá mais um passo em seu processo de pesquisa continuado a partir da obra Cidades Invisíveis de Ítalo Calvino. Estamos a quatro anos pesquisando as narrativas orais dos trabalhadores que vivem no trecho entre a Esplanada Ferroviária até o córrego Segredo no Cascudo hoje chamado de São Francisco. 


Através dessa pesquisa dramatúrgica complexa e sensível damos relevo a vida de trabalhadores que perdem seus espaços dia a dia mas ainda tem voz, pois não são e não serão invisíveis.Nossos trabalhadores tem voz e continuam firmes na linha e na luta!
Venham conhecer as primeiras estações dessa viagem...

As apresentações acontecem dentro da programação do I Seminário Nacional de Memória e Preservação do Patrimônio Ferroviário, a ser realizado na Esplanada Ferroviária entre os dias 28 e 29 de setembro de 2017, na cidade de Campo Grande MS.
Dia 28 - 09:30 - I Estação 
17:30 - II Estação 
Dia 29 -09:00 III Estação
19:00 IV Estação